Outras Redes

Uma rede de sujeitos só faz sentido se articulada com muitos nódulos, potencializando seu trabalho e sua atuação em sociedade.

Indicamos aqui o trabalho de outras redes e organizações da sociedade civil relacionadas à economia social no Brasil que inspiram a atuação da Rede Economia Social:

  • Associação de Apoio às Comunidades do Campo do Rio Grande do Norte: fundada em 1985 em Natal, atua na capacitação em metodologias participativas em desenvolvimento local sustentável e gestão social;
  • Associação para Desenvolvimento Local Co-Produzido: fundada em 2001 em Fortaleza, atua em projetos de economia popular e solidária, participação e organização política, segurança alimentar e agroecologia;
  • Assessoria & Planejamento para o Desenvolvimento: fundada em 1992, tem como missão instrumentalizar as populações de baixa renda – especialmente grupos formados por mulheres chefes de família – para o planejamento, implementação e monitoramento de empreendimentos comunitários e cooperativos, voltados para um desenvolvimento integral e harmônico;
  • Centro de Ação Comunitária: fundado em 1979 no Rio de Janeiro, capacita movimentos sociais urbanos para gerar ações políticas e organizativas orientadas para a produção do desenvolvimento, da democracia e da cidadania, atuando na Rede Intercontinental para Promoção da Economia Social e Solidária;
  • Centro de Assessoria e Estudos Urbanos: fundado em 1988 em Porto Alegre, atua para garantir direito à cidadania e à cidade, com base no tripé organização territorial, econômica e social.
  • Centro de Tecnologias Alternativas Populares: fundado em 1986 em Passo Fundo (RS), a organização estimula o desenvolvimento de uma agricultura sustentável que se orienta nos princípios da agroecologia;
  • Centro de Formação Urbano Rural Irmã Araújo: fundado em 1981 em Curitiba, o Cefuria tem como objetivo contribuir para a formação política e articulação dos movimentos populares de Curitiba e Região Metropolitana, com enfoque em economias solidárias, empreendimentos comunitários e clubes de troca;
  • Comitê para a Democratização da Informática: fundado em 1995 no Rio de Janeiro, o CDI é uma organização social voltada ao empoderamento digital, que busca formar jovens autônoms aptos a reprogramar o sistema em que estão inseridos por meio do uso da tecnologia.
  • Cooperação e Apoio a Projetos de Inspiração Alternativa: criado em 1988 no Rio de Janeiro, o COPINA apoia a economia dos setores populares e atividades econômicas de resistência à falta de meios de sustentação da vida, atuando no fortalecimento dos empreendimentos econômicos dos setores populares;
  • Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas: fundado em 1981 no Rio de Janeiro por Hebert de Souza (Betinho), atua como ator na sociedade civil com o compromisso intelectual e prático de radicalização da democracia como modo de vida em sociedade.
  • Instituto Ecoar para a Cidadania: fundado em 1992 em São Paulo, atua em questões ambientais e contribui para a construção de sociedades sustentáveis;
  • Instituto Sociedade, População e Natureza: fundado em 1990 em Brasília, atua no apoio a projetos de organizações de base comunitária voltados à conservação dos biomas brasileiros e à melhoria da qualidade de vida das populações do campo, das florestas e das savanas;
  • Instituto Políticas Alternativas para o Cone Sul: fundada em 1986 no Rio de Janeiro, o PACS é uma organização sem fins lucrativos dedicada ao desenvolvimento solidário. O desafio é pensar a economia de forma contra-hegemônica e solidária, procurando rumos alternativos ao atual sistema socioeconômico;
  • Instituto Kairós: fundado em 2000 em São Paulo, desenvolve ações de formação em comércio justo e solidário para os atores da cadeia produtiva;
  • Programa de Aplicação de Tecnologia Apropriada às Comunidades: fundado em 1970 em Campina Grande (PB), atua no fortalecimento da agricultura familiar no semi-árido brasileiro, especialmente no Estado da Paraíba, através da agroecologia como base técnica, metodológica, científica e organizativa, na perspectiva do desenvolvimento sustentável;
  • Rede Sociologia Econômica: fundada em 2011, articula pesquisadores da área de sociologia econômica de todo o país;
  • Rede de Tecnologia Social: fundada em 2005 em Brasília, reúne, organiza, articula e integra um conjunto de instituições com o propósito de contribuir para a promoção do desenvolvimento sustentável mediante a difusão e a reaplicação em escala de tecnologias sociais;
  • Serviço de Tecnologia Alternativa: criado em 1989 em Ibimirim (PE), atua por meio da Proposta Educacional de Apoio ao Desenvolvimento Sustentável (Peads) na articulação latino-americana de entidades voltadas para a segurança alimentar e o fortalecimento da agricultura familiar;

***

Gostaria de indicar alguma organização ou rede que não está aqui? Deixe um comentário para nós!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s